A História

A História, os fatos e os homens que construíram o Nosso Clube

Podemos dizer, que o Nosso Clube nasceu sob o signo do sucesso e da perseverança, graças a um grupo de jovens limeirenses inflamados pelas reformas e transformações dos anos 30, no auge da retomada das atividades produtivas do Estado de São Paulo, ao término da Revolução Constitucionalista e no Início do Estado Novo.

Novas idéias afloravam no coração da juventude paulista, principalmente daqueles moradores dos pequenos e médios centros urbanos.

O ano de 1933 foi o marco inicial da fundação do Nosso Clube em Limeira. No pulsar forte do coração da juventude fundaram nesse mesmo período outras entidades que representam até os dias de hoje a força, a vontade e o desejo de modernidade que as elites emergentes da época sentiam em proporcionar à cidade melhores condições de vida e progresso. Naquela época foram fundadas em nossa cidade a Gazeta de Limeira, a ACIL, o Nosso Clube, a Sociedade Operária Humanitária e a Corporação Musical Arthur Giambelli.

Todas, a exemplo do Nosso Clube, atravessaram os tempos e chegaram aos 75 anos, graças ao arrojo e à determinação de seus dirigentes.

Por que o nome Nosso Clube ?

O Nosso Clube originou-se em razão de uma manifestação de desagravo recebida por alguns jovens declarados pessoas não gratas em uma festa de casamento.

Em 14/10/1933 (sábado), na sede social da sociedade Italiana, localizada onde hoje existe o antigo prédio do Ítalo - Brasileiro, Rua Barão de Campinas, esquina com Tiradentes; realizava-se o casamento do Sr. Santo Fabri Neto, sócio da entidade e cujos salões foram cedidos para as festividades, e contaram com a animação musical de Jazz Biaggio Pincelli. A presidência da sociedade Italiana era ocupada pelo Comendador Vicente Leoni, que recomendou ser fixado no quadro de avisos do clube que naquele dia só participariam das festividades os convidados dos noivos. Os demais associados poderiam ter acesso ao clube, sem o direito de participarem das bodas ou mesmo dançar.

Ocorre também,que, nos idos de 1933, existiam os penetras. Na primeira oportunidade, os jovens, entusiasmados pela musica ao vivo, tomaram seus pares e invadiram o salão de danças, fato que foi prontamente contestado pelo Sr. Vicente Leoni, por transgredir as regras previamente estabelecidas com o dono da festa.

Não satisfeito com o ocorrido, o Sr. Vicente Leoni, presidente da sociedade italiana solicitou ao maestro Biaggio Pincelli que executasse uma valsa. No meio da musica, o Senhor Presidente subiu em uma cadeira e pediu que a orquestra parasse de tocar. Prontamente ele foi atendido e, a seguir, proferiu um rápido discurso, solicitando que as pessoas que não tivessem sido convidadas pelos noivos se retirassem das dependências do clube.

Os jovens revoltados e constrangidos por terem sido considerados personas-não gratas, reuniram-se na Rua Tiradentes, logo acima do clube, defronte a casa hoje pertencente a família D'Andrea - (casa revestida de azulejos verdes, com formato de repolho) e ali começaram a contestar a atitude do presidente. No calor da discussão, alguém sugeriu: por que não formamos o Nosso Clube? Assim teremos liberdade de participação do que é nosso indistintamente.

Sociedade Dançante e Recreativa Nosso Clube

Daquela noite (14/10/1933), até efetiva fundação do clube, aqueles jovens decididos iniciaram o esboço do clube com que sonhavam e aos poucos foram reunindo adeptos a sua causa e realizaram, em 13/12/1933, a assembléia para constituição do Nosso Clube.

Voltar